sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Bruno de Carvalho e as Cenouras

Bem sei que o nosso blogue se chama “místicaazulebranca” e não costuma falar de cenouras. Não costuma é uma maneira de dizer. Ultimamente tem falado em “zahanorias españolas” que vem dar ao mesmo. Mas vamos ao que interessa. Um destes dias no café onde costumo tomar o pequeno-almoço “tropecei” num pasquim, lisboeta já se vê, o Rascord que conforme consta desde a data da sua fundação é afeto a um dos circos da Segunda Circular que veste de verde (ou amarelo).

Parecia ter um Editorial Especial feito à medida para os sócios, adeptos ou simpatizantes visto que anunciava em parangonas (entre várias coisas) a construção de um pavilhão justamente batizado João Rocha, insigne presidente da coletividade de 1973 a 1986 com a conquista de 3 campeonatos no futebol e vários títulos em diversas modalidades. A boa nova vinha mesmo a calhar em dia de assembleia-geral numa fase de turbulência uniformemente acelerada que a instituição atravessa graças à pouca experiência do banana que preside à eclética instituição.
Esta cenoura verde deve ter anestesiado os presentes visto que o último ponto dos trabalhos era a apresentação das contas do clube até à temporada 2013/2014 que viria a ser aprovado por 97% dos sócios presentes. E que contas amigos… que contas! Vejam só este resumo:

Total do Activo 174.2M€ - Fundos de Capital (259,4) M€ negativos - Passivo Total 433,6M€ do qual o Passivo Financeiro (Bancos) é: Não corrente 147,7M€ – Corrente 154,1M€

Ressalve-se que esta situação catastrófica não é da responsabilidade da atual Administração, já que estes resultados vem sendo acumulados há vários anos e ainda por cima incluem as Contas da Sad e outras empresas do Grupo a que normalmente se chamam “societárias”. Ou seja: O Capital desapareceu e o Grupo já lhe deve 259,4M€. Se somarmos o Passivo 433,6M€ temos o lindo número de Balanço de 693M€ próximo daquele que o senhor LFV anunciara há uns meses (Passivo de 700M€). Se verificarmos que os Proveitos correntes não serão mais de 70M€/ano, está encontrada a razão por que o presidente do Clube anda tão nervoso e até anunciou que vai processar os sócios que se pronunciaram em vários blogues sobre as Contas.
CLICAR PARA AMPLIAR
 
Mas veja-se o que diz a Auditora PWC na ênfase à análise das Contas:
 
Ênfase
 
9 - Sem afectar a opinião expressa no parágrafo 7 acima, chamamos a atenção para o facto de em 30 de Junho de 2014 as demonstrações financeiras consolidadas do Sporting Clube de Portugal apresentarem fundos patrimoniais negativos de 259.369 milhares de euros e passivo corrente superior ao activo corrente em 162.827 milhares de euros. Conforme divulgado na nota 3 do anexo contendo as notas explicativas, as demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas com base na continuidade das operações, a qual se encontra dependente do apoio financeiro dos associados do Sporting Clube de Portugal, da rentabilidade futura das operações e do cumprimento do plano de reestruturação financeira em curso no Grupo Sporting, aprovadas nas Assembleias Gerais do Sporting Clube de Portugal – Futebol Sad, em 30 de Junho de 2013 e 23 de Julho de 2013, respectivamente, e consubstanciado no Acordo Quadro assinado em 14 de Novembro de 2014 com os bancos financiadores.
Resta dizer que já depois desta data foi anunciado um aumento de capital por parte de uma entidade onde tem assento um conhecido sportinguista Álvaro Sobrinho quando no dia 21 de Novembro de 2014, a SPORTING SAD comunicou ao mercado um aumento do capital social da Sociedade, em espécie, no montante de vinte milhões de euros, realizado mediante a incorporação de um crédito de igual montante detido pela sociedade anónima com a firma HOLDIMO-PARTICIPAÇÕES E INVESTIMENTOS, SA, subscrito pela emissão de vinte milhões de novas acções, com o valor nominal de um euro cada uma, em consequência do qual o capital social da Sociedade passou de quarenta e sete milhões de euros para sessenta e sete milhões de euros.

Face ao exposto, no dia 21 de Novembro de 2014 e pelo facto descrito nesta comunicação, nos termos do art.º 20º do Código dos Valores Mobiliários, à HOLDIMO-PARTICIPAÇÕES E INVESTIMENTOS, SA passou a ser imputável, uma participação qualificada no capital social e direitos de voto da SPORTING SAD de 20.000.000 acções, correspondentes a 29,850% do capital social e dos direitos de voto.
Ora assim os meus amigos já compreendem o anúncio do pavilhão/cenoura para que a gravidade destas contas passasse despercebida aos associados. Se juntarmos a isto, um desinvestimento no plantel que mais cedo ou mais tarde conduzirá a resultados desportivos desastrosos e a emissão de vários milhões de VMOC que como sabemos são títulos obrigatóriamente convertiveis em acções que, a não serem resgatadadas pela SAD ficam na posse de quem as tiver adquirido podendo fazer com que o clube perca a maioria na SAD, será fácil de adivinhar uma situação tumultuosa dentro de pouco tempo.

Até à próxima cenoura

4 comentários:

Anónimo disse...

olha o velho truão que ainda não bateu as botas!!!!!!!!!!!!!!!

Jose Riobom dos Santos disse...

Até eu já tentei misturar cenouras com bananas....quem comeu comentou......QUE NOJO!

Miguel Lima disse...


limpeza precisa-se, por favor.
obrigado.

Miguel | Tomo II

José Giroflé disse...

Em Espanha o Sportén já tinha fechado o tasco. Mas o FCP embora melhor para lá caminha se não arrepiar caminho.