quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Pobres Accionistas

Aqui há uns meses coloquei uma crónica no nosso blogue, baseada em 2 temas: “O Negócio dos Fundos” e “Os Passivos das SAD”. Dos 3 clubes grandes, entenda-se. Intitulei-o “Casas de Penhores Modernas” e acertei em cheio no alvo. A UEFA e a FIFA estão frontalmente contra a aldrabice que significa receber percentagens dos Activos (como são os jogadores) “empenhados a Fundos que adiantam dinheiro por conta de hipotéticas vendas”.
Assim uma espécie de factoring um sistema pelo qual uma sociedade recebe à cabeça o valor da facturação dum determinado produto, contra o pagamento de uma comissão. Na realidade são coisas diferentes. Aquando do factoring, esta refere-se a vendas efectivas e, a menos que o devedor não as pague, é “dinheiro em caixa”. No caso da venda de passes dos atletas, ninguém no seu estado normal, pode garantir que se trata de “mercadoria” vendável. As eventuais falhas de rendimento desportivo, lesões, ou a idade já “fora do prazo de validade” inviabilizam o negócio. Depois lá vem a “pancada”: Aparecem no Relatório e Contas as tais “imparidades”, palavrão que representa o valor de balanço da mercadoria (neste caso o jogador no activo), menos o valor pelo qual ele efectivamente será vendido (se e quando for).
Esta semana o Professor Assistente do ISEG, António Samagaio voltou a analisar o tema, desta feita em relação aos Prejuízos apresentados pelos mesmos 3 grandes.
Sugiro aos meus amigos a leitura do interessante artigo que, vindo de quem vem, não oferece contestação. No meio deste vendaval que agora parece obrigar os responsáveis dos 3 Clubes+SAD a tomarem consciência da triste realidade (entrada em vigor do Fair Play Financeiro) é engraçado verificar que, nos Orçamentos conhecidos, não se vislumbra qualquer medida “efectiva” que inverta esta situação. Meras declarações de princípio e o habitual blá, blá, blá da austeridade não chegam. São precisas acções concretas e rápidas, senão, pobres dos accionistas.
 
Até à próxima

1 comentário:

The Blue One disse...

Lima eu estou do lado da UEFA no que diz respeito ao Fair Play Financeiro. Clubes como o Atlético de Madrid não podem continuar a vencer Competições Internacionais com a colaboração de Jogadores cujos Passes ainda não foram devidamente pagos a quem de direito.

Agora se no Mundo do Futebol as Finanças são uma tremenda balbúrdia, quem mandou a UEFA e os Governos impulsionarem a criação de SADs de Clubes de futebol?

E muito burro é aquele que se meteu a investir numa SAD de um Clube sem ter outro interesse senão na rentabilização deste seu investimento através das Acções que possui...

Aquele abraço!!!

P.S.: Ainda estou para ver quando é que em Portugal o Governo vai obrigar os Clubes a terem de criar uma coisa chamada Junta Corporativa que gere as Finanças dos Clubes. Não há projecto nenhum que não tenha de passar por esta Junta assim como não há Jogador que seja comprado sem que esta mesma Junta aprove a compra. E olhe que em Espanha e na Alemanha isto tem dado bons resultados. Chamem-lhes de Burros!