domingo, 4 de agosto de 2013

A maldição e a malapata Azul e Branca

Ao sétimo jogo de pré-época chegou a primeira derrota do FC Porto. Os Tricampeões Nacionais perderam com o Galatasaray por uma bola a zero. Os Azuis e Brancos tiveram duas grandes penalidades e não as converteram. OGala teve uma e meteu a bola no fundo das redes. Bem se pode dizer que a diferença esteve no castigo máximo.
 
O FC Porto subiu ao tapete do Emirates Stadium, casa do Arsenal, com a intenção de testar as suas capacidades frente ao Campeão da Turquia. A uma semana do arranque oficial da época Azul e Branca, em Aveiro, diante do Vitória de Guimarães, Paulo Fonseca entregou a baliza a Fabiano Freitas e deu tempo de jogo a Kelvin, Defour, Maicon e Abdoulaye.
 
Perante a armada de Istambul, que contou com as estrelas da companhia - Drogba, Sneijder e Altintop –, o Dragão entrou a deitar fogo em Londres. Logo aos dois minutos, Jackson Martínez obrigou Fernando Muslera a sair dos postes para evitar o golo.
 
Os primeiros minutos de jogo viram um FC Porto mais activo e o Galatasaray a jogar mais na expectativa. A equipa de Paulo Fonseca teve em Steven Defour uma referência interessante no miolo. Já Varela e Kelvin, com alguma falta de velocidade, tentaram construir jogadas de perigo para Jackson, o homem mais avançado no ataque Portista.
 
O Colombiano teve, de resto, uma soberana ocasião para abrir o activo, aos 18 minutos. Varela foi derrubado na área e o árbitro assinalou grande penalidade. Chamado a bater o castigo máximo, Jackson Martínez permitiu a defesa de Muslera.
 
A perdida do Cha Cha Cha fez o Galatasaray crescer ainda mais, sendo que o aparecimento de Drogba não foi também alheio a esta subida de produção dos Turcos. O ex-Chelsea, muitas vezes assobiado quando tocava na bola, obrigou Fabiano a defesa apertada, aos 27 minutos. O guardião Portista mostrou serviço e travou o remate do experiente Costa-marfinense.
 
Até ao descanso, Lucho ainda teve nos pés a possibilidade de abrir o marcador. Kelvin meteu para Jackson e o Colombiano, dentro da área, deu a bola atrasada para o remate de El Comandante.
 
Para o segundo tempo, Paulo Fonseca colocou Licá e Mangala e retirou de campo Alex Sandro e Varela. A entrada dos Portistas foi, todavia, mais discreta. OGala, pelo contrário, assumiu mais as despesas de jogo e foi criando perigo junto à baliza de Fabiano Freitas. Não raras vezes, Sneijder, Altintop e Drogba obrigaram a defesa Portuguesa a trabalho extra.
 
A pressão no último terço deu frutos para a turma de Fathi Terim. À entrada para os últimos 30 minutos, o Galatasaray chegou ao golo de grande penalidade. Mangala derrubou Eboue e Felipe Melo ganhou no duelo com Fabiano.
 
Aos 77 minutos, o FC Porto podia ter empatado. Danilo foi travado dentro da área turca. O árbitro apontou para a marca dos 11 metros mas, desta vez, Jackson Martínez cedeu o lugar a Lucho. O Capitão Portista não fez melhor que o Colombiano e também falhou a grande penalidade.
 
Os últimos minutos, tal como quase toda a segunda metade, viram um FC Porto sem criar perigo junto à baliza Turca.
 
Num teste com nível de Champions, os Tricampeões Nacionais deixaram indicações várias ao Técnico Azul e Branco. A principal, pois claro, é o trabalho extra na marcação de grandes penalidades. É que os Dragões saíram de campo com o castigo máximo no futebol, a derrota.
 
A equipa de Paulo Fonseca terá agora novo teste, hoje, frente aos Italianos do Napoli.
 
Retirado de zerozero
 
Melhor em Campo: Danilo

6 comentários:

Ricardo Costa disse...

Porque é que o Danilo foi o melhor em campo? Para compensar a injustiça de não o ter sido quando marcou 3 golos e fez a sua melhor exibição com a camisola do Porto?

Neste jogo se tivesse que escolher um melhor em campo seria ou Varela ou até o Castro.
.
O Danilo fez um jogo normal. Se não é melhor em campo quando marca 3 golos em detrimento de Otamendi não entendo como é melhor em campo agora... Só mesmo pela lei da compensação...

The Blue One disse...

Grande Ricardo vou-te dar a mesma sincera resposta que dou ao pessoal que por aqui passa e coloca a mesma questão:

É tudo uma questão de opinião. E cada opinião vale o que vale como já tive a oportunidade de te dizer mais do que uma vez.

Ricardo Costa disse...

Então na tua opinião podes-me explicar como é que o Danilo num jogo que marca 3 golos não é o melhor em campo e é depois num jogo em que faz um jogo normalíssimo?
O que é que ele fez de especial para ser o melhor em campo? E o que é que ele deixou de fazer para ser ultrapassado no outro jogo pelo Otamendi?

The Blue One disse...

Ricardo eu já aqui o disse e repito, a tua opinião tem valor, enriquece e elucida quem a lê mas é a TUA opinião.

Eu tenho direito a ter á MINHA opinião quer tu queiras quer não queiras.

Expus a minha opinião, já tive a oportunidade de te explicar o que tinha de explicar noutro local mas tu voltas sempre ao mesmo como se porventura eu vá mudar o que penso através do cansaço (estás muito engando!).

Nada mais tenho a dizer sobre o assunto. Siga para a frente que é o caminho.

Ricardo Costa disse...

Eu apenas te pedi para explicares porque é que o Danilo foi para ti o melhor jogador em campo. O que é que ele fez de especial neste jogo?

The Blue One disse...

No meu facebook privado (atenção a esta parte: PRIVADO) já tive a oportunidade de debater este assunto contigo.

Não gosto de me repetir. Tem paciência e vira a página de uma vez por todas.