quinta-feira, 11 de junho de 2015

Quo Vadis Jesus?

Quando era pequeno (há muitos e muitos anos) andei na Escola Primária da Santíssima Trindade ali junto à nossa Câmara Municipal. Logo nos primeiros dias explicaram-me na catequese que aquela expressão personificava “o Pai, o Filho, e o Espírito Santo.”
 
Segundo os princípios do Cristianismo os três representam uma e só entidade. Não percebi muito bem o conceito, havia qualquer coisa que não encaixava. Então, do alto dos meus 7 anos, enchi-me de coragem e pedi à catequista que me “traduzisse” aquilo. A resposta não podia ser mais politicamente correta: “mistério”! Jesus (o verdadeiro) fazia com muita classe o truque dos pães. A multiplicação dos milhões escapa-me. Nunca pensei que quase 70 anos mais tarde o enigma subsistisse, e os personagens fossem os mesmos. Em nome do Pai, o Filho foi para o Sporting, e o Espírito Santo é quem sustenta a casa! Os lesados do BES que o digam.
Um dos braços de Ricardo Espírito Santo era o BESA. O semanário Expresso noticiou há alguns meses que o BES Angola não sabe a quem emprestou 5,7 mil milhões de dólares, sendo que a atual administração suspeita que 745 milhões foram parar às mãos de Álvaro Sobrinho, presidente daquele banco até 2012. Assim é fácil contratar treinadores.
O empresário Álvaro Madaleno Sobrinho é dono da Newshold, grupo angolano que, além do semanário Sol, controla 15% da Cofina (Correio da Manhã, Jornal de Negócios, revista Sábado), bem como o jornal i. Pelos vistos, segundo o Relatório e Contas do 3º Trimestre (1 de Julho a 31 de Março) já tem perto de 30% na SAD do Zbórden.
Se Jesus for pelo salário anunciado provocará um enorme esforço de Tesouraria que não vejo como as finanças da Sad possam aguentar. Palpita-me que o Sporting não tardará muito a recorrer à solução habitual, mais um Empréstimo Obrigacionista, pois claro! O presidente saiu com um comunicado/justificação aos sócios que mais parece o Sermão de Santo António aos Peixes. Uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma. Dias da Cunha afirmou que devia ir para o manicómio, esquecendo-se que foi um dos obreiros da derrocada económica da Sad secundado por Soares Franco, Eduardo Bettencourt, e Godinho Lopes. O bouquet final (como no fogo de artifício do fim-de-ano na Madeira) está reservado para o banana. Quando começarem as castanhas (os processos) a rebentarem-lhe na boca, gostava de andar por cá para ver se a Holdimo e/ou o BES se chegam à frente para aguentar com os prejuízos. Para Jesus, será mais difícil do que andar no arame.
Atravessando a Segunda Circular confesso que já tinha saudades duma palhaçada tão engraçada no Circo Cardinali (não confundir com o Cardinali árbitro assistente que não quis aproveitar os 2.000€ que outro sevandija dos esverdeados lhe mandou meter na conta).
 
Vieira (que faz sempre as coisas pelo outro lado) desta vez foi apanhado na curva. Mas nem tudo são desgraças. Livrou-se de um sapateiro que ganhava 4 mil quilos/ano e ao mesmo tempo atirou a batata quente para o parceiro do Circo em frente.
Claro que o tema de fundo (como dizem os apresentadores dos tele jornais) foi mais uma vez escondido da populaça. Provou-se que o clube da treta (pese embora a pasquinada que o leva ao colinho dizer o contrário) está falido e já nem sequer tem dinheiro para os ordenados. O último Relatório e Contas vem coberto pelo tal manto diáfano da fantasia que só tem lugar nas cabeçorras do Jaime Antunes ou do António Figueiredo.
 
Se dúvidas houvesse bastava ler o anúncio do dia 5 de Junho na CMVM de mais um empréstimo, desta vez de 55M€, a contrastar com as declarações do imbecil que representa a “instituição” no Dia Seguinte que afirma com aquele ar de mentiroso compulsivo que “o Benfica está bem de dinheiro”. Havia de lhe crescer o nariz de cada vez que mente.
 
Então na semana passada quando Guilherme Aguiar (o único que percebe alguma coisa daquilo) afirmou que JJ ia para o Sporting, o homem ia tendo uma apoplexia de tanto rir. Abanava por todos os lados como o Zequinha da Feira Popular. Se tivesse um pingo de vergonha nas ventas partia para os Emirates só com bilhete de ida.
 
Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo

5 comentários:

Miguel Lima disse...

toda a prosa é espectacular, mas esta passagem em particular é sublime:

"em nome do pai, o filho foi para o Sporting, e o Espírito Santo é quem sustenta a casa! Os lesados do BES que o digam."

T-O-P! :)

abr@ço forte e até Espinho
Miguel Lima | Tomo III

JOSE LIMA disse...

Miguel
Muito mais haveria a dizer mas fica para a próxima. Não convém gastarmos os trunfos todos de uma vez!
Grande abraço

Madeiran Marvel disse...

Esse Alvaro Sobrinho detem 66% de uma companhia chamada Babel... de certeza que e masonico Luciferiano.

Alka Seltzer disse...

"Provou-se que o clube da treta (pese embora a pasquinada que o leva ao colinho dizer o contrário) está falido e já nem sequer tem dinheiro para os ordenados. O último Relatório e Contas vem coberto pelo tal manto diáfano da fantasia que só tem lugar nas cabeçorras…,"

AHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAAH!

Caro José Lima, você agora fez-me chegar as lágrimas aos olhos. Obrigado por isso. Você deve andar a dormir ou então deu-lhe um ataque de cegueira. Ou será apenas um ataque de outra coisa que acaba também em "eira"?
Provavelmente tinha vontade de dizer isso do seu clube mas preferiu voltar o canhão para outros sítios e enfiou a cabeça na areia para não enfrentar a realidade! Olhe que a areia dói e cega se não tiver cuidado!

Sabe o que lhe digo? No próximo ano o Porto irá lutar com o Braga pelo 3º lugar. Acredite!
O Paulo Fonseca irá mostrar a quem contratou Flopetegui e a quem o escorraçou do Porto que é muito melhor treinador.
Cá se fazem, cá se pagam!


JOSE LIMA disse...

Caro Alka Seltzer
No parágrafo que salienta, basta apenas comparar os RC dos dois clubes no que se refere ao endividamento financeiro.
Mas se juntar ao Passivo da Sad o Passivo do clube veja quem está pior. Um deles tem o dobro do Passivo do outro.
Cumprimentos