terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Pensamento da Semana: “Roma e Pavio não se fizeram num dia”


“Sabíamos que íamos defrontar uma equipa difícil, procurando fazer tudo bem. Tínhamos que estar atentos, pois eles vinham fazendo bons resultados. Desatenções da equipa em geral fizeram-nos passar uma noite amarga, mas é importante referir que nos anularam um golo legítimo, não querendo procurar pretextos. Temos de analisar o que correu mal e ser autocríticos. Não podemos continuar a perder pontos se queremos lutar pelo campeonato”, afirmou o lateral no final do jogo deste domingo.

O que lemos em cima é um excerto das declarações de Miguel Layún que analisou a derrota caseira ante o FC Arouca. O único que mostrou uma enorme lucidez numa altura em que toda a gente parece ter ficado parvinha de todo.

Obviamente que existem problemas dentro do Clube. Mas o problema não é José Peseiro que chegou ao Dragão há menos de um mês. Assim como o problema não é somente Maicon como Rodolfo Reis defendeu. Estrelas cadentes como Iker Casillas, contar no plantel com mancos como José Ángel e a falta de liderança de que o Jorge Vassalo tem falado muitas vezes - e com imensa razão - no seu Porto Universal são exemplos disto mesmo.

Neste momento mais importante do que pensar com o coração é pensar com a razão. E a razão diz-nos que este é o ano zero do Dragão. Tenhamos paciência pois “Roma e Pavio não se fizeram num dia”. Para mais ninguém mandou a SAD Portista apostar num Treinador que nada ganhou na época anterior e que fragilizou Jogadores que com outros Técnicos vinham em crescendo (como é o caso de Maicon por exemplo).

9 comentários:

António Jorge Paiva Lourenço disse...

A culoa não pode ser do treinador. O que acham que estaria a acontecer se continuassemos com o JL? Não podemos ter memória curta. A culpa reside em quem se diz dirigente e sacode a agua do capote como se não tivesse nada a ver com o assunto. Pessoas destas estão a mais. O FCP somos nós.

Pedro Silva disse...

@ António

Eu não disse que a culpa era somente do Treinador. Contudo 60% dos problemas pelos quais o FC Porto está a passar são da inteira responsabilidade de Julen Lopetegui.

Luís Miguel disse...


Apenas quero realçar uma medida que resolveria muitos dos problemas desportivos e financeiros do FCPORTO que seria a de implementar uma estratégia que levasse a que os jogadores a renunciar às selecções e estarem exclusivamente concentrados no FCPORTO.

No FCPORTO, não há falta de liderança nem personalidade, apenas faltam melhores resultados.

Anónimo disse...

Tudo se resume a ter apostado num treinador que não tinha capacidade nem para treinar iniciados, satisfazer-lhe todos os delírios.
Destruiu animicamente todos os elementos da equipa mesmo os mais experimentados, fazendo com que aqueles que viam a incompetência do técnico se quisessem pôr a milhas do descalabro.
O resto são campanhas muito bem urdidas pelos inimigos do clube e cobardemente utilizando os nossos símbolos para espalharem a desordem.

Luís Miguel disse...


Pois esse treinador que não tinha capacidade nem para treinar os iniciados, apesar de todos os seus delírios, teria sido campeão se não fossem as arbitragens tendenciosas, aliás nem teria cá vindo parar se no ano anterior o outro treinador também teria sido campeão se não fossem as mesmas arbitragens tendenciosas e assim surge toda esta pseudo-crise.

Anónimo disse...

Pseudo crise e estamos 6 pontos .Se fosse crise estávamos a 12. Aqui ainda para alguns parece ser Deus no céu e PC no Dragão. Haja pachorra.

Anónimo disse...

Luis Miguel, foi o cólinho que nos impediu da ganhar ao Boavista, ao Nacional, ao Maritimo, ao Belenenses, na Luz? E em Munique, foi o quê?

Anónimo disse...

Pachorra é precisa e muita para quem quer fazer de PC o pior presidente à face da Terra. Possivelmente alguns que dizem isso, nem seriam "Portistas de internet" se não fosse o PC.

Luís Miguel disse...


Então mas tu não te lembras que o Neuer devia ter sido expulso logo a abrir na primeira mão? Contra 10 outro resultado haveria nas Antas e mesmo contra 11, Boateng e Bernat também deviam ter sido expulsos.

Em Munique, Neuer, Bernat e Boateng não teriam jogado e foram logo eles que construiram os golos iniciais.