domingo, 11 de setembro de 2016

A devida resposta

imagem de zerozero

Ponto prévio; tenho de fazer aqui uma pequena correcção á antevisão que fiz ao jogo que opôs o Futebol Clube do Porto ao Vitória Sport clube (Vitória de Guimarães) porque, a verdade seja dita, a equipa de Pedro Martins fez tudo menos jogar à defesa com “autocarros” diante da sua baliza. Este Guimarães jogou de olhos nos olhos no Estádio do Dragão e praticou um futebol muitíssimo bom. Não é qualquer um que se pode gabar de ter feito tal proza.

Quanto ao jogo em si, o Dragão assistiu a um espectáculo de futebol muito agradável. Ambas as equipas quiseram ganhar o jogo e fizeram por isto.

O Guimarães entrou pressionante e decidido a dar muita luta aos azuis e brancos. A primeira parte do jogo foi muito equilibrada e em certos momentos os vitorianos estiveram por cima na partida. Pedro Martins tem ao seu dispor um excelente plantel e é notório o bom trabalho que este tem feito até à data. Não admira que hoje em dia o Vitória Sport Clube seja uma das melhores equipas da nossa Liga. Faço votos de que tal forma de estar em campo se mantenha quando os minhotos tiverem de defrontar Benfica e Sporting (tenho muitas dúvidas).

Quanto ao Futebol Clube do Porto, digam o que disserem, Nuno Espirito Santo (NES) apresentou um onze com duas novidades relativamente à jornada anterior (Oliver Torres no lugar de Héctor Herrera e Laurent Depoitre no lugar de Jesús Corona). Os portistas jogaram quase todo o jogo numa espécie de 4x4x2 sem alas. Miguel Layún fazia todo o corredor direito, André Silva tinha como principal missão o apoio a Depoitre, Óliver Torres coordenava todo o jogo do FC Porto, André André desempenhava as funções de um médio box-to-box e Danilo Pereira apoiava uma defesa onde Felipe era um comandante seguro. Tal forma de estar em campo acabou, pouco a pouco, por dificultar a tarefa de um Vitória que estaria a contar com um FC Porto no seu clássico 4x3x3.

Contudo o que resolveu a contenda a favor dos azuis e brancos foi algo de que já venho falando aqui há muito: lances de bola parada. Foi através de um pontapé de canto que os dragões chegaram à vantagem numa partida que estava muito equilibrada. Marcano não apareceu por acaso naquela posição para marcar golo, o que revela que se está a trabalhar num aspecto que hoje em dia é cada vez mais fundamental no futebol.

Após se ter colocado em vantagem o FC Porto passou a dominar o jogo e, sob a batuta do Maestro Oliver Torres, a vitória portista acabou por se consolidar com muita naturalidade e alguma sorte.

Em suma; foi bom vencer. O Futebol Clube do Porto deu uma excelente resposta aos seus adeptos e rivais após a “roubalheira” de Alvalade, mas há ainda algum trabalho a fazer (especialmente na defesa).

Chave do Jogo: Apareceu no minuto 46´ +ara resolver a contenda a favor do Futebol Clube do Porto. Após o golo de Oliver Torres o Vitória Sport Clube viu toda a sua estratégia e vontade anímica caírem por terra.

Arbitragem: Jorge Sousa e a sua equipa realizaram uma má arbitragem que só não teve influência no resultado final porque o FC Porto soube dar a volta a um bom adversário. Ao minuto 19´ Jorge Sousa anula o golo de André Silva que teria dado a vantagem aos portistas, ficando por perceber qual a razão de tal decisão. Para mais neste mesmo lance os defesas vitorianos tiveram uma acção faltosa na grande área, tendo ficado uma grande penalidade a favor do FC Porto por assinalar.

Positivo: Óliver Torres. Na posição que é ocupada por Héctor Herrera, Oliver jogou e fez jogar. Será que está, finalmente, encontrado o “patrão” que o Futebol Clube do Porto tanto necessita para que o seu futebol “carbure”?

Negativo: Iker Casillas e os lances de bola aérea. Iker entre os postes e “a fazer a mancha” é dos melhores – senão o melhor – do Mundo, mas quando as bolas resolvem vir pelo ar para a pequena área do FC Porto é sempre um “ai Jesus, nossa Senhora!” NES tem de melhorar este aspecto sob ena de no futuro ver a sua equipa sofrer golos caricatos.
 
Artigo publicado no Blog o gato no telhado (10/09/2016)

2 comentários:

Vidente Mor disse...

melhor em campo CASILLAS, sem ele e o jogo teria sido muito complicado. Depois nao se pode ter tudo excecional dentro dos postes e excecional fora deles, nem o Neuer , nem o courtois, nem ninguem.

Pedro Silva disse...

Para mim - e para muito boa gente - o melhor em campo no FC Porto 3 Vitória SC 0 foi o Óliver Torres. Mas cada um tem direito a ter a sua opinião.

"Depois nao se pode ter tudo excecional dentro dos postes e excecional fora deles, nem o Neuer , nem o courtois, nem ninguem."

Sim. Os atletas referidos não são perfeitos. Não fazem é dia sim, dia sim os disparates que Iker Casillas faz sempre que uma bola é cruzada pelo ar para a pequena área.