domingo, 5 de fevereiro de 2017

San Iker em dia não do Espirito Santo

imagem retirada de zerozero
Quando me perguntam se prefiro uma boa partida de futebol a vencer eu digo sempre que não. Prefiro muito mais vencer mesmo que a minha equipa não jogue absolutamente nada. Não foi bem isto que aconteceu no clássico do Dragão, mas andou lá perto. Muito perto mesmo. Se a partida tivesse terminado empatada a duas bolas não teria vindo mal algum ao mundo e até que se teria feito alguma justiça tendo em consideração aquilo que Nuno Espírito Santo (NES) e Jorge Jesus (JJ) – não - fizeram durante os 90 e poucos minutos.

O Futebol Clube do Porto até que não entrou com a devida e exigida força no clássico. Em muitos momentos foi possível ver um certo equilíbrio entre Dragões e Leões. Contudo o futebol é feito de pormenores e muitas vezes o pormenor (mesmo que pequeno) pode fazer a diferença. Palhinha mostrou a sua inexperiência e Tiquinho Soares aproveitou-se disto. O Futebol Clube do Porto colocou-se em vantagem e o Sporting Clube de Portugal ficou sem perceber muito bem como poderia tal ter acontecido dado que o equilíbrio era (e foi durante toda a 1.ª parte) a nota dominante. O segundo golo dos azuis e brancos foi também fruto de uma desatenção da defensiva verde e branca que Tiquinho Soares aproveitou (mais uma vez).

Podemos então dizer que o FC Porto foi um tudo ou nada superior ao Sporting CP na primeira parte da partida no Estádio do Dragão, mas não podemos dizer que tal se tenha devido ao jogo jogado pois neste aspecto ambas as equipas estavam empatadas. Eficácia foi a palavra de ordem da equipa de NES nesta fase do jogo. Assim como também se pode dizer que a aposta de NES na titularidade de Soares foi uma aposta ganha.

O problema para NES é que uma partida de futebol não tem somente 45 e poucos minutos. E JJ pode ser um vaidoso mal-educado que nem português sabe falar, mas este percebe muito de futebol. A verdade é que o intervalo fez muito bem ao Sporting CP. Este entrou dominante e com vontade de impor o seu futebol. E conseguiu. JJ sabia muito bem o que fazer, como fazer e quando fazer. Já NES andou completamente aos papéis e quase que entregou o ouro ao bandido quando retirou André Silva de campo… Como tal não é de admirar o facto de os Sportinguistas terem marcado o seu golo de honra e de terem obrigado os Portistas a passar por um tremendo sufoco até ao fim. Não tivesse aparecido na baliza do Futebol Clube do Porto um Santo de noma Iker Casillas e estaria eu a dissecar um justo empate entre Dragões e Leões.

Voltando ao princípio; o Futebol Clube do Porto venceu e isto é o que realmente interessa mas vencer assim não tranquiliza. E desta vez não se pode dizer que a culpa tenha sido da falta de opções de NES. Não há desculpa possível para o que aconteceu hoje no Estádio do Dragão apesar de se ter alcançado a liderança isolada da Liga NOS. A evitar no futuro porque não vamos ter sempre um San Iker em dia não do Espirito Santo.

MVP (Most Valuable Player): Iker Casillas. Existem defesas que valem campeonatos e aquela que Iker faz nos instantes finais da partida pode mesmo ter valido um campeonato para o FC Porto. Penso que não é inteiramente justo dizer que o espanhol teve uma prestação acima dos seus colegas, mas a verdade seja dita que o Futebol Clube do Porto venceu por culpa do seu Guarda-redes. Daí o MVP para Iker.

Chave do Jogo: Inexistente. Durante os 90 e poucos minutos não surgiu um lance que tivesse feito pender a vitória para cada uma dos lados.

Arbitragem: Hugo Miguel não realizou uma arbitragem por aí além. Não complicou em demasia e as decisões que teve de tomar foram quase sempre todas justificadas. Poderia ter uma nota positiva se na segunda parte não se tivesse ”esquecido” de expulsar Zeegelaar com um segundo amarelo.

Positivo: Yacine Brahimi. Longe (muito longe mesmo) de ter sido aquele Brahimi que encantou os adeptos, o Yacine de hoje foi sobretudo muito combativo e esteve sempre disposto a dar tudo pela equipa. Prefiro este Yacine ao Brahimi egocêntrico que “brinca na areia”.

Negativo: equipa que necessita de vencer para liderar o campeonato não pode – de maneira alguma - realizar a segunda parte que este FC Porto realizou no Dragão. Uma crítica que começa no treinador e acaba nos jogadores.
Artigo publicado no blog o gato no telhado (04/02/2017)

6 comentários:

Pedro M. disse...

NES é isto. Até acertou no 11, mas depois não teve arte para mais. Nada de novo...

Pedro Silva disse...

Pedro comentar dizendo "NES é isto. Até acertou no 11, mas depois não teve arte para mais. Nada de novo..." é redutor e - sobretudo - cismático.

NES não esteve nada bem neste jogo com o Sporting. O que não quer dizer que não tenha estado bem noutras partidas.

Menos cisma e mais critica construtiva. Eu agradeço e o Universo FC Porto também.

Felisberto Costa disse...

Pois... NES não esteve bem!?
Olhando para o banco devemos ter super estrelas! André André, essa grande sombra do Danilo! Oliver esse estratega que se refugia nas costas do... Danilo e quando o treinador lhe pediu para ser o 10... desapareceu! Telles que curiosamente tinha sido o melhor contra o Rio Ave, foi o pior em campo não acertando uma! Mas mesmo assim são nossos, há que os acarinhar!

Gostaria de ver qualquer outro treinador - olhem o JJ por exemplo - nos comandos desta equipa e ver se iam em primeiro, ainda que á condição!
Vamos lá apoiar a equipa e deixar de ser mesquinhos. Não há caviar? Come-se mílharas (sabem o que é?) de sardinha!

Pedro M. disse...

Acertou no 11, é crítica construtiva.
Saudações Portistas

Carrela disse...

«JJ sabia muito bem o que fazer, como fazer e quando fazer.»

Tudo isto relativamente a alguém que esteve 45 minutos sem fazer um remate enquadrado com a baliza? Sim, o Sporting chegou ao final da 1ª parte com 0 remates à baliza!

O mérito que o Sporting teve na segunda parte, deve-o a ele próprio claro está, mas também à inoperância de NES, que permitiu que o nosso meio campo continuasse numa luta desigual.

É um facto que o Sporting dominou a segunda parte, custou assistir aquilo... mas vistas bem as coisas, quantos lances de real perigo criou o Sporting? contei 4, +1 que nós!
Para quem estava totalmente desesperado e tinha de meter toda a carne no assador...
O golo deles até acaba por ser muito consentido...
Resumindo, foram praticamente as bolas paradas, com os centrais, a criarem perigo.
Muita parra, pouca uva!

Abraço

Pedro Silva disse...

Não devemos descontextualizar a frase Carrela.

Após o intervalo o Sporting entrou mais forte do que o FC Porto e até foi melhor na segunda parte. JJ "mexeu" bem na sua equipa. Há que dizê-lo quer se goste ou não da personagem.