segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Crónica de um trambolhão patrocinado por Iker Casillas

O Vitória derrotou o FC Porto por uma bola a zero. Um golo madrugador, na sequência de um erro de Casillas, foi fatal para os portistas, que estão agora mais longe da liderança. Os vimaranenses fizeram um jogo competente e somaram os três pontos.
 
A equipa da casa entrou forte e não demorou a abrir o marcador, quando o relógio ainda nem tinha marcado cinco minutos. Bouba Saré, com um remate à meia-volta, atirou a contar, depois de Casillas não ter segurado um primeiro pontapé de Cafú, que ainda bateu num jogador vitoriano.
 
A perder, os portistas reagiram bem ao golo, pegaram no jogo e procuraram fazer ataque continuado, situação que era aproveitada pelo Vitória para, quando recuperava a bola, sair em contra-ataque rápido. Os vimaranenses dificultavam o processo de construção azul e branca, sobretudo nos últimos metros, e a equipa de Rui Barros - sempre em busca de Brahimi e Corona, que não estavam muito criativos - tinha dificuldades para concretizar.
 
Na lógica da quantidade e da qualidade, o FC Porto atacava mais, o Vitória atacava melhor. Os vimaranenses apostavam muito no jogo exterior e em cruzamentos frequentes para a área, ao passo que os dragões tentavam de várias formas e feitios mas Miguel Silva (o Pequeno Buffon de Guimarães) ia respondendo com categoria e fechando os caminhos para a sua baliza. 
 
Depois do descanso, o FC Porto pressionou o Vitória e montou um cerco às redes de Miguel Silva. Brahimi passou a jogar mais no meio, nas costas de Aboubakar, e viu-se um Layún mais ofensivo. Mas as várias iniciativas portistas esbarravam sempre na concentração do jovem guarda-redes dos vimaranenses. Sérgio Conceição reforçou o seu meio-campo, colocando Phete ao lado de Bouba Saré e Cafú e pedindo a Ricardo Valente para ajudar a fechar mais nos corredores. O Vitória abdicou do ataque e colocou muitas unidades atrás.
 
O FC Porto, pouco lúcido, ia tendo pouca dinâmica mas fazia o que lhe competia: atacar, atacar, atacar. O Vitória dava todo o espaço até ao último terço e depois defendia com duas linhas bem vincadas. Para tentar desbloquear a situação, Rui Barros colocou o dragão a jogar em 4x4x2, com André Silva ao lado de Aboubakar. 
 
Na luta pelo título, o dragão caiu no berço da nação e complicou as contas, não aproveitando o deslize do Sporting e tendo sido ultrapassado pelo Benfica.
 
Retirado de zerozero
 
Melhor em Campo: Marcano

2 comentários:

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Acabaram-se as ilusões. O campeonato está perdido. Outra vez. Vai ser uma 2ª volta penosa.
Numa liga honesta já seria muito difícil recuperar a diferença para os dois da frente. Na nossa liga corrupta e inclinada para os símbolos da capital, será impossível até porque o Porto não poderá perder mais pontos e todos já percebemos que isso será improvável. Só para relembrar que num mês estava com mais 5 pontos que os encornados e agora está com 3 de desvantagem (ou seja, perdeu oito pontos), sem falar no zporten not lisbon a quem quase tudo é permitido...

É triste para um sócio com perto de 40 anos escutar a forma com que os adversários, por mais pequenos que sejam se referem ao FC Porto, "já sabíamos como o Porto joga", "já conhecíamos as fragilidades do Porto", "o Porto acabou o jogo a perder tempo", isto para não falar na forma como a corrupção e os escândalos em que aprecem os nossos adversários de lisboa são encarados: como qualquer corno manso, caladinhos e sossegadinhos. Para ajudar à festa, a forma persecutória dos árbitros contra o Porto, em que a facilidade para amarelar já começa a ser enjoativa, perdoando a maior parte das agressões e jogo faltoso aos nossos adversários.

Sendo a equipa mais cara de sempre, e pelo 3º ano consecutivo, a SAD, leia-se Pinto da Costa, falhou. No treinador, nos jogadores e na defesa, NA DEFESA do FC Porto.

Dê por onde der, há UM ÚNICO RESPONSÁVEL: PINTO DA COSTA.

O venerável presidente merece uma enorme estátua, um hino, uma placa, até o nome do estádio, mas está, pois, na hora de exigirmos uma nova presidência, uma nova SAD.

Anónimo disse...

Aquilo pelo que o jogador André André chora é pelo MEU, O TEU, O NOSSO FCPORTO.
Parabéns aos génios da Sad que com as contratações de Lopetegui o ilusionista portista, Casillas o frangillas, Imbula o embrulha, Pablo Osvaldo o modelo, Adrian Lopez esse grande artilheiro, Cissoko e muitos outros, transformaram o DRAGÃO, no clube regional dos anos 60. Com estas inteligências estruturais a mandar, até podia vir o Sr. Pedroto, que se perdia tudo. Se têm vergonha demitam-se, se não têm, DEMITAM-SE NA MESMA.

Luís (O do Nuno Espírito Santo, Pedro Martins, ou Lito Vidigal)