quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A Bandeira de Pernas para o Ar

Começo por agradecer ao meu amigo Fernando Tavares a excelente dica que me deu para o título da crónica de hoje. Também na última Quadratura do Circulo, Pacheco Pereira, referindo-se naturalmente ao Governo da Treta que (ainda) nos desgoverna, chamou-lhe “A Trapalhada Andante”. Eu já tinha pensado que aquelas marionetas manipuladas pela Troika, me faziam lembrar alguém. Por exemplo Santana Lopes.
 
Por coincidência, à mesma hora da Quadratura, mas noutro canal (o das sopeiras), o farsante que em tempos não muito longínquos foi carinhosamente coroado como o Rei das Trapalhadas apareceu a dizer umas baboseiras, com a barba por fazer como convém, para dar dramatismo à situação. Felizmente exonerado da vida política activa, foi entretanto despachado num caixote para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa com o letreiro CUIDADO! NÃO VOLTAR, evitando que nas suas frequentes aparições na Tv ou nos congressos laranjas, se lembrasse de morder algum apaniguado.
 
E reparem nas coincidências. Outro habitué da política, Paulo Portas, esteve em ambas as situações. No Governo das Trapalhadas, deram-lhe a incumbência de comprar submarinos. No governo actual tem a difícil missão de desaparecer para não estorvar. Enquanto que o (ainda) Primeiro-ministro e o amigo iletrado Relvas, no outro filme, se entretinham com os laranjinhas, no actual estão mais adultos, e brincam ás casinhas com a senhora Merkle. Cavaco, o comparsa resignado, anda tão confuso com esta cambada que até hasteou a bandeira ao contrário.
Os meus amigos que conseguiram aguentar os 3 parágrafos anteriores, devem estar a pensar: que raio tem “isto” a ver com futebol? É fácil se juntarmos a este cozinhado, outra expressão também da autoria do Pacheco Pereira: “A procissão trapalhona”! Lembrei-me dos pasquineiros da nossa querida comunicação social que na última semana quase ignoraram o triunfo do nosso Clube, e tudo fizeram para minimizar o banho de bola que a “instituição de âmbito nacional”, denominador comum destes “incidentes”, levou do Barcelona. Chamaram de tudo aos azuis-celestes: “harmónio”; “carrossel”; “estrelas sintonizadas”; “estratosfera futebolística”; etc. e claro lá veio a frase do ano de Jesus o Pensador: “jogamos contra a melhor equipa do mundo”!
 
Nanja que a culpa fosse do clube da treta! Nem pensar! Que interessa que não tenham defesas ou trincos em stock para travar “extraterrestres” e que os “substitutos” não joguem népia? Mesmo quando deixaram “o sonolento” no banco deve considerar-se uma vantagem. Pelo menos não estorvou. E podem dar-se por muito felizes ao verem perdoados aos caceteiros de serviço (Maxi Pereira, Matic e Carlos Martins) os segundos amarelos e consequentes vermelhos. Na próxima jornada da Champions devia ser lindo. Lá tinha que entrar em pista a trupe de anões do Circo, capitaneados por Miguel Vítor. Os do Governo, para não ficarem atrás, colocaram Paulo Portas em off-side.
O clube da treta está cada vez mais parecido com o Governo. Ambos estão falidos e não sabem para onde se virar. Hoje contam-nos um filme na TV, e na semana seguinte uma aldrabice num pasquim. Os pobres pagantes cada vez “acarditam” menos “naquilo”. Outro elo comum é Bagão Félix. Fez parte do Governo das Trapalhadas, entrou no Totonegócio, finge que critica os nossos governantes e a direcção do Clube da Treta. Devia estar em Sèvres como exemplo padrão dos lambe-botas da “instituição: Fernando Seara, Gomes da Selva, Intestino Delgado, Ôdre Gobern, Leonor Pinhoa, João Gabriel, Gomes da Selva, Sílvio Cérvan, Fernando Guerra, e outros extraterrestres.
Mas o Gato Félix em vez de estar no Museu de Sèvres, em Paris, delicia-nos com o humor das suas croniquetas nas páginas dum pasquim, A BOLHA, que faz com que os pobres dos sócios, ano após ano, desconheçam a situação calamitosa a que o clube da treta chegou. Numa das últimas croniquetas, atreveu-se a misturar as contas todas, afirmando: “Foi assim que sem dramatismos os chamados 3 grandes de Portugal chegaram a um Passivo de perto de 900 milhões de euros”.
 
Este caramelo fez parte dum Governo que aceitou uns papéis sem qualquer valor comercial como garantia de dívidas fiscais. E quando “mistura” os 3 Passivos, os pobres dos pacóvios seus apaniguados, dividem por 3 e julgam que cada um “dos grandes” está a arder em 300 milhões. Nada de mais errado. O senhor na próxima crónica devia esclarecer os seus consócios que vão ao acto eleitoral que o seu clube é responsável por mais de metade daquele valor. E não venha para cá com a historieta do consolidado ou não consolidado como o aldrabão das segundas-feiras. Olhe! Se não souber, eu explico.
Porreiro, pá!
 
Até para a semana.

2 comentários:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

porreiro, não!

é o Estado de tanga no seu esplendor absoluto.

abr@ço
Miguel | Tomo II

Fernando Tavares disse...

Caro companheiro ....Não direi de route, mas grande amigo que, vim a conhecer pessoalmente via esta coisa bem moderna, que lhe chamam NET!

Efectivamente este artigo diz sumáticamente o que deve ser escrito.

MAIS NADA!

Perfeitamente de acordo.
O excepcional golo que foi marcado por um tal de "Jackson", terá sido algo do acaso...!

Tivesse arte e engenho um tal de «Aimar» para tal situação, que estejam certos, ainda hoje seria abertura de TELEJORNAL!

O meu prazer como Portista é exactamente este facto.

Quando uns coitados, aproveitados, das dispensas de quem é importante são «Endeusados» pois vão vestir o manto glorioso e o ordenado vermelho(será?)a cair na conta.

Todos os outros....."népia"!
Continuem, que eu pessoalmente estou a gostar.

Para si naturalmente, meu caro Lima, um grande e AZUL abraço
ft