quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Habemos Liderança

Três golos do FC Porto, duas expulsões no Vitória de Setúbal e os três pontos no bolso Azul e Branco. Os Bicampeões Nacionais colam-se ao Benfica no topo da classificação e terminam - tal como o rival Encarnado - a primeira volta sem derrotas.
 
Vitória de Setúbal e FC Porto subiram ao relvado do Estádio do Bonfim para colocarem as contas da Liga Portuguesa em dia. No último jogo da primeira volta da Liga - encontro que ficou em atraso da 12.ª jornada devido ao mau tempo – os Bicampeões Nacionais tiveram uma entrada forte e podiam ter chegado à vantagem bem cedo.
 
Aos sete minutos, Jackson Martínez apareceu isolado na cara de Kieszek, tirou o Polaco da frente mas rematou para fora. Ainda assim, a jogada foi invalidada por Pedro Proença por fora-de-jogo no ataque Portista.
 
O árbitro Português – que Lucho González achou estranho não ser chamado ao clássico com o Benfica – voltou a ser o Juiz da partida no Bonfim (tal como o seria no dia em que foi adiado o jogo) e, aos nove minutos, assinalou uma grande penalidade a favor dos Portistas. Proença entendeu que Pedro Santos, do Vitória de Setúbal, carregou Varela pelas costas. Chamado a marcar o pontapé dos onze metros... Jackson Martínez não falhou e colocou os Azuis e Brancos na frente.
 
Pouco depois, aos 10, foi Kelvin a ficar perto do segundo. O Brasileiro atirou para uma boa defesa do guarda-redes Sadino, após cruzamento rasteiro de Lucho. O FC Porto, sobretudo nos primeiros 25 minutos, ia mostrando que queria resolver rapidamente a partida.
 
Quanto ao Vitória de Setúbal, por seu lado, não conseguia sacudir a pressão a que era sujeito pelos Nortenhos. De resto, apenas aos 22 minutos, os Setubalenses chegaram com perigo à baliza de Helton; Meyong atirou com força mas a bola foi embater em Mangala. Na recarga, Bruno Turco ganhou um canto.
 
Este foi o primeiro de vários lances que levaram algum calafrio à defesa Portista. É que até ao final da primeira parte, o FC Porto tentou colocar "gelo" na partida mas os Sadinos tentavam – aqui e ali – ameaçar as redes de Helton. Seja como for, os Portistas foram a vencer por 0 x 1 ao intervalo.
 
No recomeço, o Treinador do FC Porto deixou Kelvin nos balneários e lançou em campo o regressado Maicon. A equipa Azul e Branca arrumou-se, pois, da seguinte forma: Alex Sandro a extremo, Mangala desviou-se para o lado esquerdo da defesa e Maicon passou a assumir a zona central ao lado de Otamendi.
 
Tal como na primeira parte, o FC Porto voltou a tentar imprimir dinâmica no seu jogo na busca do segundo golo. E ele podia ter chegado logo ao segundo minuto da segunda metade; Moutinho, de livre direto, levou perigo para a baliza de Kieszek.
 
Com Ricardo Sá Pinto a assistir ao encontro e pouco mais de duas mil pessoas numa fria noite em Setúbal, seria a vez de Helton, pouco depois, testar o coração dos Portistas. O internacional Brasileiro, em lance individual à entrada da área, tirou três adversários do caminho, empurrou um deles e depois sacudiu a bola para longe. Vítor Pereira, no banco, não gostou da iniciativa do guarda-redes Portista.
 
Os minutos que se seguiram foram de fraco futebol. O encontro foi sofrendo várias paragens, perdeu andamento e ambas as equipas iam jogando afastadas das respectivas zonas de perigo. A equipa do FC Porto ia gerindo a sua magra vantagem de um golo e os Vitorianos não pareciam ser capazes de ameaçar Helton.
 
Até ao final, o FC Porto segurou e ainda aumentou a vantagem. Aos 86 minutos, o Cha Cha Cha aproveitou o espaço dado pela defesa Sadina e, à entrada da grande-área, rematou rasteiro e bateu Kieszek. Aos 90', Lucho fechou a contagem num remate cruzado, após um passe de classe de João Moutinho.
 
Assim, os Azuis e Brancos colam-se ao Benfica no topo da classificação com 39 pontos. Os Portistas, tal como os Benfiquistas, encerram a primeira volta sem derrotas, tendo apenas perdido três pontos (fruto de três empates). Já a equipa do Vitória de Setúbal, que acabou a partida reduzida a nove jogadores por expulsão de Bruno Gallo e Jorginho, continua nos lugares baixos da classificação.
 
Retirado de zerozero
 
Melhor em Campo: Lucho González

1 comentário:

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Supremacia absoluta do FC Porto, que só poderia terminar com uma vitória, ainda que sem muito brilho. Num terreno pesado, com muito vento e uma equipa adversária devidamente instruída para massacrar fisicamente os jogadores portistas, na maior parte das vezes infringindo as leis do jogo, seria quase impossível ganhar com nota artística. Gostava de ver o mesmo tipo de comportamento do Setúbal frente à equipa do regime. Se desta vez acabaram com 9, a jogar da mesma forma contra o Carnide, o jogo terminava ao intervalo... É que nos cavalinhos de luxo não se pode tocar...

Destaques para Mangala, em grande forma física, técnica e anímica e para Jackson Martinez, a confirmação de classe, frieza e sentido pelo golo.

Um abraço