sexta-feira, 3 de junho de 2016

Um treino de resistência

Este título é certamente conhecido, sobretudo dos adeptos cinematográficos, mas não nos referimos à película de Sergio Leone, de 1966. Falamos do particular em Wembley, 50 anos depois, que serviu de preparação para Inglaterra e Portugal, com vista ao Europeu de França.
 
Num jogo de preparação, a palavra «teste» ganha uma grande dimensão, bem maior do que o jogo em si. Há, por isso, muitas conclusões e ilações a tirar, sejam boas ou más. Sendo que, nesta partida, houve também uma espécie de vilão: Bruno Alves. Claro que a palavra é bastante forte e também não seja caso para tanto, quer porque se tratou de um amigável, quer porque não aleijou Kane na entrada perigosíssima que fez, quer também porque Portugal se comportou melhor depois desse vermelho, apesar de ter sofrido no fim.
 
Num esquema que se manteve no 4x1x3x2, Fernando Santos não mudou o desenho, mas apresentou outras dinâmicas, por força dos jogadores que utilizou. Adrien apareceu mais vezes na esquerda e o selecionador pareceu querer dizer que o camisola 23 é a alternativa a João Mário, para além de o ser a Moutinho. Inicialmente,não correu bem, o que é normal por ser uma realidade diferente para o médio do Sporting, que, tal como João Mário, não é de profundidade.
 
Com a Inglaterra a travar a construção lusa logo no início, Portugal não conseguiu soltar-se no terreno, com exceção para uma possibilidade de João Mário. Essa dificuldade de fazer jogo ficou vincada, tal como o pouco sucesso no jogo de transição rápida, onde Rafa e Nani não conseguiram potenciar as suas melhores qualidades.
 
A equipa portuguesa parecia descaracterizada e pouco definida, muito pela guerra do meio-campo, que a Inglaterra ia ganhando. O facto de apresentar dois pontas de lança mais Wayne Rooney começou por baralhar as marcações nacionais, que também continuam à espera do melhor Moutinho - ainda não é este.
 
Completando os pontos negativos que rodearam a exibição nacional, Bruno Alves, que teve a oportunidade de mostrar a Fernando Santos que pode ser titular, acabou por não o fazer. Pelo contrário, a forma como é expulso num lance completamente desnecessário pode tirar-lhe definitivamente essa esperança, bem como relegá-lo para quarta opção.
 
Não podemos dizer que a face negativa de Portugal terminou com a expulsão - até porque André Gomes não esteve propriamente bem e o golo de Smalling foi amargo - mas não deixa de ser factual que a exibição foi bem mais risonha.
 
Comecemos por Rui Patrício. Está em boa forma e é indiscutível, pela segurança e pela experiência. E passemos para oslaterais, que dão outra garantia defensiva e não menos qualidade ofensiva (melhor Eliseu que Vieirinha, apesar de tudo).
 
Porém, é nos centrais que se fixa o nosso maior elogio. José Fonte e Ricardo Carvalho estão numa enorme (e saudável) competição para acompanhar Pepe na escolha do selecionador e estiveram imperiais durante quase todo o desafio.
 
Além disso, continua a haver um Quaresma em excelente momento de forma. Brilhante o lance do camisola 20 logo depois de ter entrado. A jogar assim, Nani talvez tenha o lugar em risco.
 
Foi mesmo pena o golo sofrido no fim. Ainda que, a sofrer e a errar, que seja agora. Nota razoável ao jogo nacional, mas nota claramente positiva à postura de enfrentar as adversidades.
 
Retirado de zerozero
 
Melhor em Campo: Ricardo Carvalho

2 comentários:

reine margot disse...

espero que com aquela intervenção de karate-kid o BA esteja irremediavelmente fora do dragão... - sinceramente depois de tantos magníficos centrais que tivemos, sobretudo os meus preferidos Aloísio, Ricardo Carvalho e Jorge Andrade , o BA nunca me agradou, e a sua figurinha triste no jogo da final da taça da liga e a figurinha triste de seu Washington ainda hoje me doem...
Quanto ao Ricardo Carvalho... sempre impecável. é um predestinado.

Pedro Silva disse...

Confesso que a passagem de Bruno Alves pelo FC Porto não me desagradou. As melhores linhas defensivas do Dragão sempre foram aquelas que tinham um central do estilo do BA e outro do estilo do Carvalho.

Contudo também sou da opinião que o BA exagerou ontem... Foi mau demais e não se admite tal a um Jogador profissional.